a conquista do marumbi
Foto: Álbori Ribeiro

Falar sobre a conquista do Marumbi é contar também sobre a história do montanhismo e sobre a história do Paraná. É contar sobre a história de pessoas que olham para as montanhas e sentem seu coração vibrar mais forte. É contar sobre a relação dos povos originários e a sua relação com a natureza. Celebramos essa conquista contando um pouco sobre sua importância e relevância.

A origem do nome Marumbi

De acordo com os registros históricos as montanhas do Marumbi já traziam muito fascínio dentro da enorme cultura mística dos povos originários. Esse mesmos povos o chamavam de Guarumby, que significa Montanha Azul. Outra etimologia que é defendida pelo tupinólogo Eduardo Navarro para o topônimo “Marumbi” viria da língua geral maromby, que significa “rio dos peixes grandes” (maromba, “peixe grande” + ‘y, “rio”).

Outra característica ligada a toponímia em relação ao Marumbi é o próprio nome da cidade de Morretes-PR onde a montanha se encontra. Os “morretes”, uma derivação da palavra morro, são justamente os picos da cadeia do Marumbi.

A Ferrovia Paranaguá - Curitiba que contribui na Conquista do Marumbi

Alfredo Andersen - vista do Cadeado para o Marumbi, sem data | Acervo Enciclopédia Itaú Cultural

Outro fator histórico que está relacionado a conquista do Marumbi é a construção da ferrovia que tinha o objetivo unir Curitiba a Paranaguá. De acordo com o acervo histórico do portal Estações Ferroviárias do Brasil, a estação do Marumbi foi aberta com a linha férrea em 1885. A estação no Marumbi era inicialmente de madeira e provisória, chamada de Taquaral. Essa ferrovia permitia uma comunicação comercial e faz parte presente da história do Paraná.

Essa vasta região rica atraiu exploradores e mineradores desde o século XVI. Conforme o portal do Corpo de Socorro em Montanha – COSMO, por meio do conhecimento do povo originário, os garimpeiros utilizaram os caminhos conhecido pelos nomes de Conceição, Graciosa, Itupava e Arraial, que persistiram até a inauguração da Estrada da Graciosa e da Ferrovia Paranaguá – Curitiba.

O fascínio das montanhas que estavam no horizonte

O marumbi no horizonte
O Marumbi estava presente na vida dos moradores de Morretes e Porto de Cima. Foto: Prefeitura Municipal de Morretes-PR

Como visto, as montanhas do Marumbi despertavam interesse em fascínio pelas pessoas, principalmente pelo povoado de Morretes e Porto de Cima que tinha o maciço rochoso como horizonte em sua rotina. E esse fascínio criou a vontade em escalar suas rochas pelo botânico que ficou famoso por sua audácia e investida. Joaquim Olympio “Carmeliano” de Miranda nutriu o desejo de escalar o Marumbi por sete anos. como conta Rafael Kozechen em sua séries de artigos sobre a conquista do Marumbi.

A maioria das pessoas que moravam nessa região desacreditaram na realização de tal feito, muito pela questão logística e dificuldade técnica do terreno. Mas com o advento da ferrovia para ligar Curitiba a Paranaguá, que abriu picadas e estradas dentro da mata, e pela própria ferrovia ter um ponto de parada nos pés da montanha o desejo em escalar o Marumbi foi se tornando palpável na medida do próprio tempo.

A conquista do Marumbi

as montanhas do marumbi

Foi então que no dia 17 de Agosto de 1879, Joaquim Olympio e mais três companheiros que toparam o desafio, Bento Manoel de Leão, Antônio Silva e Antônio Mecias partiram no empreendimento em subir o conjunto do maciço rochoso. Nesse momento da história, criou-se uma competição pela conquista do Marumbi. Liderado por Joaquim Antônio Coelho, criou-se um outro grupo que discordando da rota definida por Joaquim Olympio, decidiram realizar o mesmo propósito, entretanto por uma rota do lado oposto.

Devemos lembrar para quem já pratica o montanhismo, que nesse época não haviam equipamentos técnicos disponíveis dos quais temos hoje em dia. Foram usados equipamentos rudimentares e seus mantimentos carregados em pesados sacos com feijão, linguiça, toucinho, arroz, café e açúcar e outros tipos de mantimentos para consumo.

Comprei uma camiseta da linha luisa mazarotto. Além de ter uma arte mto legal, achei o produto excelente. Parabéns tb para a equipe que presta apoio pelo site, muito atenciosa e gente fina
Montanhista Netto
Netto
Montanhista

O nascimento do montanhismo no Brasil

Dessa forma, a conquista do Marumbi possui uma relevância enorme para o nascimento do montanhismo. Não só pelo pelo intento de cunho como esporte e lazer, mas também levando em consideração sua dificuldade técnica.

vista do cume olimpo
Vista do cume Olimpo. Foto: Jonathan Monegatti
as rochas do marumbi
Escalar as rochas do Marumbi impressiona até os dias de hoje. Uma grande realização que foi liderado por Joaquim Olympio e que culminou no nascimento do montanhismo. Foto: Jonathan Monegatti

E no memorável 21 de Agosto de 1879, o grupo liderado por Joaquim Olympio chega no até então ponto mais alto do conjunto do complexo que hoje é conhecido como Olimpo. Após muito esforço, constante uso dos facões, e como diria o nosso grande amigo Getúlio Vogetta, uma realização feita na unha, o Marumbi foi conquistado. Ali nascia então o montanhismo no Brasil. Próximo do Olimpo, o grupo liderado pelo Joaquim Antônio Coelho também conquistam outra montanha que faz parte do conjunto do Marumbi, o Morro do Leão.

Um marco até então inédito no Brasil. Uma façanha que nos inspira e estimula. Que faz nossos olhos brilhar pela história tão recente e de imensa importância na prática que tanto amamos. A conquista do Marumbi é um marco para todos que realizam a prática do montanhismo.

Ramon Cavalheiro
Ramon Cavalheiro – Fundador Nos Alpes

O amor pelas Montanhas preservando a Natureza. Administrador, montanhista, ciclista e em constante evolução.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *